Fresco, pintura a

O Fresco, é uma técnica de pintura feita sobre uma parede, com base de gesso ou argamassa.
 
Ver em Wikipédia
 
► Murais a fresco realizados por Jaime MB
1951 - No transepto da basílica de S. Eugénio, em Roma, no altar votivo de "Nossa Senhora de Fátima"
1954 - No Palácio de Justiça de Santarém, “Cortes de Almeirim
1956 - No Palácio de Justiça de Vila Real, “D. Pedro de Menezes recebe o Aleo
1959 - Na capela do Instituto de S. José, Vila do Campo, Viseu, “O Bom Pastor
1959 - No Palácio de Justiça do Montijo, “Chegada de D. João IV
1961 - No Palácio de Justiça do Porto, “Casamento de D. João I” e “Embarque para Ceuta
1962 - No Palácio de Justiça de Aveiro, "José Estêvão"
1963 - No Palácio de Justiça de Olhão, "Viagem do caíque Bom Sucesso"
1964 - No Palácio de Justiça de Vila Franca de Xira, “Afonso de Albuquerque
1966 - No Palácio de Justiça de Seia, “Torneio dos Doze de Inglaterra"
1966 - No Palácio de Justiça de Fronteira, “Batalha dos Atoleiros
1966 - Na capela da Casa-Museu Nogueira da Silva, em Braga, “Sagrado Coração de Jesus
1968 - No baptistério da Igreja paroquial de Póvoa e Meadas, “S. João Baptista
1968 - No Palácio de Justiça de Castelo Branco, “O Juízo Final
1969 - No Palácio de Justiça de Vila Pouca de Aguiar, “O Decepado
1970 - No Palácio de Justiça de Lisboa, “O Mestre de Avis” (Estudos e maquete)
         - Estudos e maquete para mural em local desconhecido
 
Ver também:
■ Ilustração de José Pedro MB, sobre pintura a fresco
   (a propósito do fresco de Jaime MB no altar votivo de "Nossa Senhora de Fátima", em Roma)

 

Ciclo da CAL
     A cal, também conhecida como óxido de cálcio ( CaO ), é uma das substâncias mais importantes para a indústria, sendo obtida por decomposição térmica de calcário a 900°C. Também chamada de cal viva ou cal virgem, cal caustica, etc., é um composto sólido branco.
     O calcário (cujo principal componente é o carbonato de cálcio ou calcite, CaCO3), depois de extraído, selecionado e moído, é submetido a elevadas temperaturas em fornos industriais num processo conhecido como calcinação, que dá origem ao CaO (óxido de cálcio: cal viva) e CO2 (gás carbônico), a equação química dessa calcinação fica assim:
 
CaCO3 + Calor    CaO + CO2
 
     Para essa reação ocorrer à temperatura do forno da caieira (indústria produtora de cal) deve ser de, no mínimo, 850 °C, mas a eficiência total da calcinação se dá à temperatura de 900 a 1000 °C. Essa temperatura é garantida pela queima de um combustível, que pode ser: lenha (gasogênio), óleo combustível, gás natural, gás de coqueira, carvão e material reciclado.
     O óxido de cálcio é uma base forte. Frequentemente é transformada em hidróxido de cálcio ( Ca(OH)2 ) pela adição de água, dando origem à cal hidratada ou apagada, com libertação de alta temperatura:
 
CaO + H2O    Ca(OH)2 + calor
 
     A técnica do fresco baseia-se numa reacção química (carbonatação): Os pigmentos misturados com água de cal, aplicam-se sobre uma argamassa recente, de cal e areia, enquanto a cal está ainda na forma de hidróxido de cálcio. Devido ao dióxido de carbono da atmosfera, a cal transforma-se em carbonato de cálcio, de maneira que o pigmento cristaliza na espessura do reboco, que fica com a dureza da calcite ou carbonato de cálcio:
 
Ca(OH)2 + CO2    CaCO3 + H2O