Sereia (A) (1900)

                 Título: A Sereia
                 Autor: Camilo Castelo Branco (1825-1890)
        Publicação: Lisboa : Empreza da Historia de Portugal, 1900
   Ilustrações de: Alfredo Roque Gameiro (1864-1935)
                           Manuel de Macedo (1839-1915)
Descrição física: 327, [15] p. : il. ; 23 cm
           Colecção: Romances dos bons auctores portuguezes ; 2
        Informação: Biblioteca Nacional de Portugal
               Ver em: Internet Archive em PDF
 
     Este romance da autoria de Camilo Castelo Branco teve várias edições, factor que atesta que a obra foi ao encontro do interesse do público. A edição de 1900, ilustrada por Roque Gameiro e por Manuel de Macedo, foi editada pela Empreza da Historia de Portugal, em Lisboa, na colecção intitulada Romances de bons autores portugueses.
     O início da acção, bastante movimentada, situa-se em 1762 e consta de situações que envolvem casos romanescos de desfecho trágico.
     Em jeito de prólogo, o romance inicia-se por um pequeno poema em tercetos:
Em noutes de lua cheia, Já se não ouve o cantar D'aquella triste sereia
Oh pobre moça cahida Já sobre ti se fecharam Os abysmos desta vida!
Mas um raio de luz pura Côa-se através dos vidros Sobre a tua sepultura.
     E o autor prossegue no seguinte teor, revelando a génese do trabalho: "Estes melancólicos tercetos, escriptos há cem annos, que significação tiveram? N'um livro manuscripto e datado de 1768, os encontrei. Em cincoenta paginas de prosa do mesmo manuscripto descobri o segredo dos versos".1
     É provável que a data do romance se situe por volta de 1862. Para o afirmarmos, baseamo-nos em dados fornecidos indirectamente por Camilo Castelo Branco. O primeiro capítulo abre com as seguintes palavras: "Estamos no dia 75 de maio de 1762. N'aquelle tempo, os dias de maio, no Porto, eram temperados, alegres, perfumados, encantadores. A primavera há cem annos apparecia quando o calendário a dava".2
     Presumimos que a frase - Há cem annos - se reporte à data aproximada em que o escritor se dedicava à escrita da obra.
Maria Lucília Abreu
in Roque Gameiro - O Homen e a Obra, ACD Editores, 2005
1 CASTELO BRANCO. Camilo. A Sereia. Empresa da História de Portugal, dição de 1900.
2 Idem, ibidem.
 
 (Pode clicar nas imagens para aumentar) 
 
Pág.
E depois, que trafego é este...
Pág.
... quando a dama arquejava abraçada...
 
Ver original:
Pág.
... com o fogo no coração...
 
Ver estudo:
Pág.
... dirigir uma escola para desbastar mocinhos...
 
Ver original:
Pág.
Presenciou o cortejo que ladeava sua irmã...
 
Ver estudo:
Pág.
- Também eu descobri isso...
Pág.
Partiram as liteiras a caminho de Barcelos.
Pág.
Uma tarde, sentados na curela verdejante do córrego...
Pág.
... Lançou-lhe a mão à gola da jaqueta e disse-lhe...
Pág.
- Não, senhor, já respondi o mesmo a seu cunhado, juiz de Fóra
Pág.
Ao despedir-se do irmaão debulhou-se em pranto...
Pág.
Concorriam à galhofa frades loios, um arcediaco, dois...
 
Ver original:
Pág.
... galopava à desfiada pela Sofia
Pág.
E recebeu a chave duma grade...
Pág.
Respondia-lhe com desabrimento, e dizia: Tenho 18 anos.
Pág.
... provaram que eram muito mais expeditos na segunda sova
Pág.
Assediavam-na as freiras austeras pedindo-lhe que...
Pág.
Esta má nova encontrou Sebastião Godim enfermo
Pág.
... e preparava-se para escadeira-lo com um tamborete
 
Ver estudo:
Pág.
O mendigo deixou cair uma carta...
 
Ver estudo:
Pág.
Depois chegou fr. João...
Pág.
E a última família que apeou de uma lustrosa e dourada liteira...
Pág.
... e sentaram-se nos bancos rústicos...
 
Ver original:
Pág.
Aqui se agasalhou Gaspar até ao escurecer na pousada dos almocreves
Pág.
O ariieiro bracejando rompeu à frente, e Gaspar...
Pág.
O quê? - disse o padre, deixando cair a casula...
 
Ver original:
Pág.
- Está explicada a infâmia de seu filho...
Pág.
... quando ela cantava as seguidilhas
 
Ver original:
Pág.
... e cai abatido pelo primeiro insulto apoplético
Pág.
- Uma ideia feliz! exclamou Gaspar
Pág.
Gaspar abraçaou-se-lhe nos joelhos...
Pág.
O velho saltou ao pavimento
Pág.
As filhas e esposa de Francisco da Cunha seguravam-na...
Pág.
Encontraram-no tiritando e encolhido...
 
Ver estudo:
Pág.
Aproximou-se mais o irmão...
Pág.
Encontraram o corpo de Gaspar entalado...
Pág.
Foste tu que mataste minha filha...
Pág.
Acode-me!... acode-me Gaspar!...
Pág.
Rodearam o corajoso homem que saia da água...
 
Ver original:
Pág.
... morreu no Bussaco um eremita...